Passar para o Conteúdo Principal

logótipo mirandela

Hoje
Hoje
Amanhã
Amanhã

O Culto das Águas

Restos do Culto das Águas, Rios e Fontes

imagemQue estas crenças permaneciam ainda entre nós no século VI da era cristã, mostra-se dos cânones organizados por São Martinho, bispo de Dume, bem como por várias crendices supersticiosas de que a etnografia nos aponta vestígios, ainda hoje existentes no nosso povo.

É crença geral em todo o distrito de Bragança que a água dos rios e fontes está benta na manhã de São João (24 de Junho) e na de São Pedro (29 de Junho) e que produz efeitos benéficos ou curativos em muitas moléstias e antídotos nas feitiçarias [53]; por isso, além das abluções próprias, os lavradores vão lá banhar seus gados bovinos, ovinos e caprinos. 

É também costume geral levar o mesmo armentio a dar volta pelos adros dos santuários ou capelas existentes nos campos e montanhas, fora dos povoados, no dia da festa dos respectivos oragos, incorporando-o mesmo algumas vezes no cortejo processional e carregando à cabeça ou pendente jugo com sacos, onde vai o cereal que, em cumprimento da promessa, oferecem ao santo festejado.

Em geral, nos adros destes santuários há uma ou mais árvores colossais, respeitada religiosamente, ninguém se atrevendo a cortar-lhe pernadas ou a colher-lhe o fruto, sem consentimento do pároco ou mordomos, porque o padroeiro fere com moléstias, geralmente sezões, os violadores sacrílegos.

Como adiante nos referimos muitas vezes ao angaranho e respectivos banhos curativos, convém explicar o que isto seja. Angaranho, anqueilhado ou caílho, é uma espécie de raquitismo e enfraquecimento que ataca as crianças de leite e as idades inferior a cinco anos, incapazes de andar por se não segurarem nas pernas. Os banhos devem obedecer aos seguintes preceitos rituais: uma mulher leva a criança e outra trá-la para casa, devendo, sempre que seja possível, ter o nome de Maria; vão e voltam silenciosas; a criança é mergulhada completamente, sustentando-a uma pelos pés outra pela cabeça, deixando-lhe ao mesmo tempo ir o enxoval pela água abaixo e vestindo-lhe depois outro. De um modo geral, às águas de virtudes medicinais, ou como tais supostas, chamam Fontes Santas e Águas Santas.

Em algumas terras bragançanas também se cura o angaranho passando três vezes a criança pela abertura de uma árvore nova, que se rachou ao meio para este fim, tornando-a depois a unir a ligar por forma que solde e não seque, porque, se tal suceder, não se produz a cura.

Quando tudo isto resulta inútil e a criança, um pouco mais idosa, continua amarelecente e definhada, é preciso recorrer a uma mulher de virtude, geralmente a que teve dois gémeos de um parto, que à lameira de um alto na encruzilhada de caminhos, colocando-a no centro de um signo-salomão, traçado por regos na lameira, fazendo-lhe ao mesmo tempo rezas especiais. Estas mulheres têm também virtude para pisar as torções e veias que tomam vento, bem como para benzer quebrantos, espinhela caída e outros padecimentos.

Os pulos e saltos por cima das fogueiras de arçã, rosmaninho, sal-puro e de outras plantas balsâmicas, feitas nas ruas durante a noite de São João, livram de bruxedos, feitiçarias e de outras moléstias, segundo reza a crença popular. Também, segundo a mesma, os atacados de sarna e outros sofrimentos cutâneos saram, indo espojar-se na dita manhã sobre o linho dos Linhares.

O povo distingue perfeitamente entre águas medicinais cientificamente ditas, de efeitos terapêuticos naturais, e águas das chamadas Fontes Santas e dos angaranhos, anqueilhados ou caílhos, de efeitos curativos sobrenaturais ou como tais supostos. 

Daquelas, há no concelho de Mirandela as seguintes nascentes:

Barcel: Nesta povoação, concelho de Mirandela, «há uma fonte, à qual vão levar os meninos quando estão doentes, e dentro do espaço de oito dias, ou melhorarão, e cobram saúde, ou morrem; do que há repetidas experiências nestes moradores».

São Salvador: Em São Salvador, concelho de Mirandela, há a Fonte do Bispo, por ser aberta, segundo diz a lenda, com uma bengala por D. António da Veiga Cabral e Câmara, bispo de Bragança, falecido naquela povoação em 1819.

As virtudes curativas da fonte, extraordinariamente procurada pelos doentes de várias moléstias, resultam da bênção especial que o bispo (santo no conceito popular, não só no local, mas mais ou menos geral na diocese e fora dela) lhe lançou.

Ainda hoje, nas grandes estiagens, nas grandes chuvadas, nas crises agrícolas, o povo de São Salvador recorre à intercessão do Santo Bispo, como lhe chama, e lhe atribui a bênção dos frutos nas colheitas prósperas.

Vale dos Lobos: No termo desta povoação, concelho de Mirandela, há uma fonte chamada Água Santa.

ÁREA DE MUNÍCIPE

Aceda à sua Área de Munícipe para ter acesso aos Serviços Online, Gestão de Newsletters entre outras funcionalidades.

CONTACTOS

Câmara Municipal de Mirandela
Praça do Município
5370-288 Mirandela

Telefone 278 200 200
Fax 278 265 753
E-mail geral@cm-mirandela.pt

Linha verde: 800 205 791